Suposto esquema de compra de votos levou Marco Aparecido da Silva, o “Marquinho do Albatroz” à cadeia, na sexta-feira. Ele foi preso em flagrante no balneário Albatroz, em Matinhos, tentando extorquir R$ 1 mil do vereador Sandro Moacir Braga (DEM), o “Sandro do Gás”.

De acordo com o delegado Rodrigo Brown, que estava de plantão na delegacia de Matinhos sexta-feira, Sandro procurou a polícia, dando queixa que Marco ameaçava espalhar notícias mentirosas contra ele, se ele não lhe pagasse a quantia. Dias antes, Sandro tinha registrado outro boletim de ocorrência contra Marco, por ameaça. Uma equipe policial acompanhou o vereador no encontro marcado para entregar o dinheiro a Marco. Quando o suspeito pegou a quantia, foi detido.

Valores

Na delegacia, o detido afirmou ao delegado que era amigo de Sandro e, durante a eleição de 2012, o ajudou em compra de votos. Eles entregavam R$ 20 ou R$ 30 a cada eleitor, conforme o detido. Como Marco teria emprestado este dinheiro, alegou que agora estava cobrando o valor. O vereador prestou depoimento e afirmou que tal esquema é mentiroso. Sandro foi procurado, mas a Câmara está em recesso e o parlamentar não foi localizado.

Diante da grave acusação, o delegado orientou o detido a procurar a Polícia Federal (PF) para denunciar compra de votos, já que esse tipo de crime eleitoral não é da alçada da Polícia Civil. Depois da orientação, a resposta que Brown ouviu do preso é a de que tanto Marco, quanto o vereador Sandro, já são alvo de investigação da PF, por conta dessa suspeita.

O Paraná Online procurou a delegacia da Polícia Federal de Paranaguá, mas ninguém soube confirmar a investigação.