O pedreiro e guardador de carros Edemilson Santos da Silva, 30 anos, só queria ajudar a recuperar um avião de controle remoto, que caiu no lago do Parque Barigui. Quase alcançava o brinquedo quando se afogou. Bombeiros fizeram buscas preliminares na água, mas não encontraram o corpo.

O caso ocorreu ainda dia, pouco depois das 18h. Edemilson assistia um rapaz brincar com o aeromodelo, o viu cair no lago e ofereceu-se para recuperar o objeto.

Deixou algumas peças de roupas e documentos no gramado e mergulhou. Segundo a testemunha, o pedreiro pulou na água, nadou por 15 ou 20 metros, até começar a se afogar. O dono do aeromodelo chamou a Guarda Municipal e o Corpo de Bombeiros.

Buscas

Segundo o bombeiro tenente Gabriel, equipes iniciaram as buscas de barco, usando objetos para tatear o fundo. Ficaram mais de uma hora e meia neste trabalho, mas por conta do cair da noite, suspenderam as buscas para retomá-las hoje de manhã, com a ajuda de bombeiros mergulhadores. Acredita-se que, devido ao lodo que há por baixo da água, Edemilson esteja preso ao fundo.

Um adolescente, parente do pedreiro, contou que boa parte da família de Edemilson mora em Campina Grande do Sul. Apenas uma irmã dele mora no Mossunguê, perto do parque.

Edemilson também vivia próximo ao Barigui há cerca de cinco anos. Trabalhava como pedreiro e, segundo os guardas municipais, também era guardador de carros no parque.