Foi condenado a 16 anos e dois meses de prisão, Adilson Bonete, de 28 anos, acusado de matar uma mulher, grávida de cinco meses, em Pinhais. O crime aconteceu em janeiro de 2011 e o rapaz estava preso desde então, quando foi encontrado na zona rural de Brasilândia do Sul, no noroeste do Estado.

Conforme as investigações, Adilson, que estaria embriagado, se envolveu em confusão na frente de uma lanchonete. Após ouvir gritos, Luara Luiz João, de 19 anos, foi até a janela de casa para ver o que estava acontecendo, foi baleada pelo rapaz e morreu na hora. O crime aconteceu na Rua Mandaguaçu, na Vila União.

O delegado Fábio Amaro, atual diretor do Departamento de Inteligência do Estado do Paraná (Diep), que comandou o trabalho de investigação na época do crime, explicou que o assassino foi identificado no local pelas testemunhas. Ele conseguiu fugir, mas teve sua prisão preventiva decretada pela Justiça e foi encontrado quando se escondeu no noroeste do Paraná.

Adilson foi condenado por homicídio qualificado e aborto provocado por terceiro (por causa da morte do feto). A pena foi decidida na semana passada, em audiência no Tribunal do Júri, em Pinhais. A defesa havia recorrido da decisão, que foi dada em outubro de 2013, mas agora não cabe mais recurso. 

“Sensação de que foi feita a Justiça e traz um pouco de conforto à família, apesar de, pela minha visão, a pena ser branda, tendo em vista a repercussão que teve, uma vez que a vítima se tratava de uma mulher grávida e trouxe grande comoção local e estadual em razão da repugnância do crime”, comentou Fábio Amaro.