Uma discussão boba pode ter levado Clamir da Rosa Branco, 39 anos, à morte, na noite desta sexta-feira (16). Ele foi executado a tiros dentro da mercearia que possui com a companheira, no bairro São Miguel, em Curitiba. Na tentativa de salvá-lo, a mulher o levou de carro até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Fazendinha, onde Clamir já chegou morto.

Segundo relatou a companheira da vítima a investigadores da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Clamir e ela estavam dentro do estabelecimento, na Rua dos Palmenses, quando por volta das 22h30 um homem branco e magro entrou no local e foi até o freezer, como se fosse pegar uma bebida. Em seguida, foi até o caixa, porém já chegou atirando em Clamir, que foi ferido na cabeça, pescoço e uma das mãos.

A vizinhança contou à polícia que outros homens estavam do lado de fora do estabelecimento, esperando o assassino concluir o crime, e que todos fugiram de moto. Ao invés de chamar o Siate, a mulher preferiu leva-lo à UPA, mas o homem estava muito ferido e não resistiu ao tempo de deslocamento.

A mulher contou aos policiais que, três dias antes, o companheiro discutiu por pouca coisa com um jovem. Mas não relatou quem era a pessoa, tampouco se a morte tinha relação com a briga. Clamir, disse a companheira, era usuário de drogas e estava usando tornozeleira eletrônica.