Nem mesmo os mortos escapam da mentalidade doentia de algumas pessoas. Na madrugada de ontem, um caso macabro foi registrado no Cemitério Municipal Jardim Independência, em Araucária.

O corpo de uma idosa foi retirado do túmulo, arrastado até o mato e abandonado ao lado do caixão. A mulher, de 74 anos, morta há pouco mais de um mês, estava nua da cintura para baixo. Existe a suspeita de ato sexual.

O crime só foi descoberto na manhã de ontem, quando o coveiro percebeu o túmulo arrombado e encontrou o corpo e o caixão numa clareira. Familiares da idosa se revoltaram.

“É uma humilhação muito grande ver o corpo de um ente querido naquela situação”, relatou o filho da mulher, Jonas Bozza. O cadáver foi levado ao Instituto Médico-Legal (IML), onde passou por exames, a fim de apurar se houve ou não vilipêndio – termo usado para definir a violência contra a pessoa morta. A mulher será novamente sepultada hoje. “Ainda temos que passar pela tristeza de outro enterro”, lamentou Jonas.

Suspeitas

O delegado Haroldo Luiz Vergueiro Davison, da delegacia de Araucária, suspeita que pelo menos duas pessoas tenham participado da profanação do túmulo. “Aguardamos o laudo para apurar se realmente houve sexo com o cadáver. Caso contrário, é provável que a intenção dos criminosos fosse furtar algo de valor. Ela era uma pessoa conhecida na cidade”, afirmou o delegado.

A família informou que não havia nenhum objeto de valor no túmulo. De acordo com o Código Penal Brasileiro, a pena por vilipêndio a cadáver é de 1 a 3 anos de detenção e multa.

A família também reclamou da falta de segurança e iluminação no cemitério. O túmulo violado fica na parte nova, a poucos metros de um matagal. “Aqui é muito escuro à noite. Muitos parentes têm medo de vir quando começa a escurecer”, disse Jonas. Populares relataram ainda que usuários de drogas se reúnem no mato para usar entorpecentes.