Apesar de 16 pessoas já terem sido denunciadas pelo Ministério Público, a Justiça ter acatado a denúncia e decretado a prisão preventiva de todas elas, as investigações sobre a quadrilha apontada como responsável por várias mortes em Almirante Tamandaré, Rio Branco do Sul e Itaperuçu, continuam. A delegada Vanessa Alice informou que está desenvolvendo diligências e buscando provas nos outros inquéritos.

No final do mês de abril, a delegada solicitou a prisão de 31 pessoas. Na época ela citou que havia indícios do envolvimento de 50 pessoas com a quadrilha. Vanessa disse que poderá solicitar novas prisões a qualquer momento, inclusive as das pessoas que foram negadas. “Trabalhamos em busca de provas para comprovar a participação dessas pessoas e a qualquer momento outras pessoas poderão ser presas”, disse. Ela salientou que as investigações não terminaram após o oferecimento da denúncia pelo Ministério Público e da Justiça acatar o pedido de prisão preventiva dos denunciados. A delegada lembrou que o soldado Leily Pereira, o comerciante Sebastião Alves do Prado e o motorista da Prefeitura de Almirante Tamandaré, Antônio Martins Vidal, o “Tico Pompílio”, não estavam entre os que tiveram prisões temporárias decretadas no dia 24 de abril.

Entre as primeiras prisões decretadas estavam a de Alceu Rodrigues, 31 anos, o B.A.. que foi assassinado no dia 9 de maio, no Cajuru. O autor do crime foi identificado como sendo Ananias de Oliveira Camargo, que teve sua prisão temporária decretada a pedido da Delegacia de Homicídios e continua foragido. Na época um homem chamado Brunelo também teve a prisão decretada, mas continua foragido.

Denúncia

As 16 pessoas foram denunciadas nos inquéritos que apuraram os assassinatos de Joyce Katolyck Devitte, Maria da Luz Alves dos Santos, mais conhecida como “Maria Jibóia”, Carlins Proença da Rosa, o “Silvio”, e de quatro rapazes executados em junho de 2000. Os três primeiros inquéritos foram investigados pela delegada Vanessa Alice.