A delegacia de São José dos Pinhais já começou a ouvir os envolvidos na confusão que terminou com a morte do mecânico Servino da Maia, 30 anos, baleado por policiais militares, na noite de terça-feira, no Jardim Cruzeiro. O rapaz e outro suspeito foram abordados numa motocicleta, porque estariam carregando droga.

Familiares de Servino alegam que ele foi vítima de truculência policial e que não teria reagido. Porém, de acordo com o delegado Osmar Dechiche, a versão apresentada pela polícia -que o mecânico teria tentado atirar na equipe – foi confirmada pelo indivíduo que estava com ele, no momento da abordagem.

Droga

O rapaz confirmou ao delegado que é viciado em crack e costumava comprar droga com Servino. “Porém, na terça-feira, quando chegou para fazer a compra, Servino disse que havia polícia na região e pediu para que subisse na garupa da moto. Em seguida, os dois foram abordados e 20 gramas de crack foram encontrados com Servino”, relatou Dechiche.

Conforme o relato do rapaz ao delegado, Servino teria reagido à voz de prisão, jogando uma pedra em um dos policiais. “Depois ainda tentou tirar a arma de um deles. A irmã e a mãe dele também teriam partido para cima da equipe policial”, continuou o delegado. As duas mulheres foram ouvidas e negaram as acusações. Elas e o usuário foram detidos na confusão e liberados em seguida.

Prazo

O delegado instaurou inquérito policial para apurar as circunstâncias da morte, que deverá ser concluído em 30 dias. “Vamos ouvir todos os envolvidos e também testemunhas para saber realmente o que aconteceu. Nosso dever é apurar os fatos sem corporativismo”, ressaltou Dechiche.