Christiane Abujamra e Arnold Vianna, irmã e sobrinho de Clemans Abujamra, assassinada a facadas no final de abril do ano passado, irão a júri popular, acusados de cometerem o crime.

Segundo os advogados Elias Mattar Assad e Louise Mattar Assad, que atuam no processo como assistentes da acusação, a vítima, que morava nos Estados Unidos, veio ao Brasil para adotar uma criança e foi morta dentro do apartamento da família, no Batel, pela irmã e pelo sobrinho.

Posteriormente, os acusados teriam colocado o corpo de Clemans em uma mala e abandonaram o cadáver em frente a um terreno baldio, no bairro do Campina do Siqueira.

Os advogados acreditam que o caso deverá ser julgado pelo tribunal do júri como homicídio qualificado por motivo cruel com penas que oscilam entre 12 e 30 anos, além de fraude processual, por alterar o local do crime.