Três irmãos se apresentaram ontem na Delegacia de Fazenda Rio Grande e confessaram que são os autores do assassinato do ex-presidiário Elias Moreira Machado, 40 anos, conhecido por “Chapolin”. O crime ocorreu na noite de sexta-feira, em Mandirituba. Anderson Luís Wosniak, 28 anos; Altamir Wosniak, 24, e Altair Wosniak, 35 anos, alegaram que estavam sendo ameaçados pela vítima. Eles foram ouvidos, indiciados em inquérito policial por homicídio e liberados.

O superintendente Valdir Bicudo, da delegacia de Fazenda Rio Grande, informou que há aproximadamente cinco anos, “Chapolin” assassinou Aleixo Wosniak, durante uma briga em um bar. Na época, o acusado foi preso e condenado a 8 anos de reclusão. Após cumprir metade da pena, “Chapolin” foi colocado em liberdade e voltou a morar em Mandiritiba, com a mulher, na Rua Pedro Kugezen, 76, Vila São João. “Ele tinha saído há pouco tempo da cadeia. Os irmãos contaram que estavam sendo ameaçados pelo assassino de seu pai. O ex-presidiário ficava em bares, dizendo que iria matá-los também”, contou Bicudo.

De acordo com a versão dos irmãos, quando eles encontraram “Chapolin”, foram provocados.

Em seu depoimento, Altair disse que “Chapolin” portava uma espingarda. Ele teria entrado em luta corporal, tomado-lhe a arma, desferindo os tiros. Altamir contou que estava armado com um revólver calibre 38 e que também atirou na vítima. E Anderson contou que desferiu o golpe de faca.