Quando foi chamado para cortar um pinheiro estragado de um condomínio, no Portão, o jardineiro Víctor Bereza, 37 anos, não esperava que se tornaria alvo de moradores da vizinhança. Porém, foi isso que aconteceu por volta das 10h15 de ontem, próximo à Rua Guilherme Pugsley. Trepado na árvore, o trabalhador foi alvejado por chumbinhos disparados por uma espingarda de pressão. Um dos tiros acertou o cotovelo de Víctor, que, por precaução, chegou a ser atendido pelo Siate.

?O tiro veio de um prédio do outro lado da rua, a mais de 50 metros de distância. A pessoa devia estar revoltada, porque eu estava cortando a árvore, mas foi ordem da Secretaria do Meio Ambiente?, explicou o jardineiro. Com medo de voltar a subir na árvore e ser novamente alvejado, Víctor resolveu chamar a polícia.

Investigadores do 2.º Distrito Policial foram até o local e conversaram com um suspeito, que negou ter atirado. A confusão terminou na delegacia, onde o suspeito e jardineiro foram ouvidos e liberados. Há 12 anos trabalhando no ramo, Victor contou que nunca havia sido vítima de algo semelhante.