Depois de passar dias procurando Luís Carlos Proença, 22 anos, em hospitais, no Instituto Médico-Legal e até mesmo através de uma página na internet, familiares do jovem o encontraram morto no quintal de casa. O corpo, em avançado estado de decomposição, estava caído no meio do matagal, nos fundos do terreno, situado na Rua Manoel Corrêa de Freitas, Jardim Social. O cadáver só foi descoberto no final da manhã de ontem. Um pedreiro, que trabalhava na casa vizinha, sentiu o mau cheiro e foi até o local, acreditando que poderiam ser ratos mortos.

Há uma semana Luís foi visto pela última vez. Ele matriculou-se em uma academia de ginástica e depois foi para casa. Como os familiares não estavam na residência, não viram quando Luís foi até o terreno e subiu nas árvores.

Segundo a perita criminal Maria do Rocio dos Santos Lima, o jovem provavelmente caiu e quebrou o pescoço. Porém, o estado de decomposição do corpo impediu que a perita diagnosticasse outro ferimento. ?O rosto dele estava destruído pela decomposição causada pela ação de animais. Em princípio ele morreu na queda, mas ainda serão feitos outros exames no IML, para confirmar a causa da morte?, disse a perita.

A família de Luís chegou a divulgar a foto dele na internet, e a registrar queixa de desaparecimento na Delegacia de Vigilância e Capturas (DVC), sem imaginar que o corpo estava a alguns metros da casa.