Leandro havia reagido a um
assalto e matado o ladrão.

Quarenta e cinco dias depois de reagir a um assalto e matar um ladrão, Leandro Aparecido de Oliveira, 17 anos, foi executado com nove tiros. O crime ocorreu às 19h40 de terça-feira, quando a vítima caminhava pela Rua Floripa Mullman, Jardim Campo Alto, em Colombo. A saraivada de tiros foi a resposta de parentes do assaltante Arakitan Ricardo dos Santos, 29, morto pelo adolescente no dia 8 de agosto deste ano. De acordo com a polícia, o autor dos disparos foi o primo de Arakitan, Cristiano Sampaio Gomes, 21, que já tem passagens pela polícia e estava acompanhado de um outro parente, chamado Cláudio.

No local do crime, policiais militares apuraram que o jovem caminhava pela rua quando passou por ele um Santana, vermelho, cujo ocupante atirou várias vezes. O adolescente tentou correr, mas foi atingido por nove balaços.

A perita Solange, da Polícia Científica, verificou no exame de local, que a vítima foi baleada no queixo, na barriga, no braço, na lateral do peito e ainda cinco vezes nas costas. Os tiros nas costas foram dados quando a vítima já estava caída no asfalto, como demonstrava os chumbos dos projéteis ainda presos ao corpo de Leandro.

Motivo

A primeira hipótese aventada pelos PMs era de que a vítima teria reagido a um assalto. Já os investigadores Gerson e Ariosvaldo, da delegacia do Alto Maracanã, ao verem o garoto morto lembraram que o menor esteve na delegacia e confessou que baleou uma pessoa que tentou assaltá-lo. “Acreditamos que tenha sido vingança”, disseram. O que foi confirmado posteriormente.

O superintendente Job de Freitas, da Delegacia do Alto Maracanã, lembrou que após matar o assaltante – que tentou lhe tomar alguns trocados quando ele estava no ponto de ônibus, na Rua Enemésio do Rosário Júnior, também no Jardim Campo Alto, na madrugada de um domingo de agosto -, Leandro foi jurado de morte por familiares de Arakitan. Horas depois do crime, os autores foram identificados e a polícia já solicitou que a Justiça decrete a prisão preventiva dos dois acusados.