Estendeu-se até o fim da noite de ontem o julgamento de Carlos Luiz Figueiredo, acusado de ter matado Guilherme Alves Ferreira, em 20 de dezembro de 1993, dentro do bar El Potato (Avenida Paraná, 1200 – Boa Vista). O júri foi presidido pelo juiz Rogério Etzel e teve na acusação a promotora Lúcia Andrichi e Dálio Zippin Filho.

Naquela data houve uma briga no estabelecimento, na qual Guilherme foi atingido por um tiro no peito e Carlos teve a orelha mordida com violência. A defesa, feita pelos advogados Cláudio Dalledone Júnior e Rodrigo Muniz, alegava que o réu agiu em legítima defesa. A acusação mantinha a tese de que o disparo teria sido feito depois da briga ter acabado.