O juiz da 2ª Vara do Júri de São Paulo, Mauricio Fossen, revogou nesta segunda-feira (7) o sigilo absoluto da investigação da morte da menina Isabella Nardoni, de 5 anos. O magistrado entendeu que o sigilo não é "imprescindível para o bom desenvolvimento das investigações", visto que, na sexta-feira (4), o promotor Francisco Cembranelli, do Ministério Público Estadual (MPE), divulgou várias informações sobre o caso à imprensa. A informação é da assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça do Estado.

O juiz argumentou que, por causa das declarações do promotor, "deixou de existir fundamento jurídico para que a ordem de sigilo em relação ao inquérito policial continue a ser mantida, já que nem mesmo o Ministério Público demonstrou possuir efetivo interesse nesse sentido". A ordem de segredo de Justiça havia sido definida na quarta-feira passada (3), junto com o decreto de prisão temporária do casal Alexandre Alves Nardoni, o pai de Isabella, e a madrasta, Anna Carolina Jatobá.