Um dos acusados de furtar obras raras da Biblioteca Pública do Paraná, em outubro do ano passado, está preso na Argentina. Victor Hugo Batista da Silva tentou assaltar um posto da alfândega, naquele país, onde estavam obras raras apreendidas. O outro acusado, Laessio Rodrigues de Oliveira, continua foragido e está sendo procurado por policiais do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope).

A delegada Vanessa Alice, responsável pelo caso, lembrou que já foram feitas várias tentativas de prender os acusados. ?Continuamos trabalhando para prender o Laessio, porque o Victor está na Argentina?, avisou a delegada. Ela solicitou às pessoas, que tenham informações, que auxiliem na captura de Laessio ou que entrem em contato com o Cope através do telefone 3284-6557. Não é necessário se identificar.

Ela lembrou que os suspeitos foram identificados logo no início das investigações, porém a maior dificuldade da polícia foi descobrir os nomes verdadeiros deles, já que usavam diversos nomes.

Furto

Cento e vinte obras raras – entre livros, coleções, revistas, artigos e periódicos – foram furtadas da Biblioteca Pública do Paraná em 2 de outubro do ano passado. Antes desta data, no mesmo ano, furtos semelhantes já haviam ocorrido em São Paulo e Rio de Janeiro.

Apesar de serem raridades, nenhuma das obras continha equipamentos antifurto, o que é previsto nas normas de preservação. Entre o acervo furtado está o livro Recordações do escrivão Isaías Caminha, de Lima Barreto, escrito em 1909. Avaliado em aproximadamente R$ 2,7 mil, além de mapas da coleção de Anville, datados de 1749 e 1794, que custam entre 1,7 e 2 mil euros. Além de obras de Machado de Assis, datadas de 1800 e início de 1900.