Um suspeito de roubar vários hotéis de luxo em Curitiba foi preso por policiais da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR). Segundo a polícia, Marcio Luiz Fagundes, de 44 anos, fazia à limpa nos hotéis cinco estrelas da região central da capital. A prisão aconteceu na terça-feira (9) da semana passada, mas a informação só foi divulgada nesta quarta-feira (17). 

“Estávamos empenhados para prendê-lo desde o inicio do ano. Ele é um ladrão de banco de altíssima periculosidade, razão pela qual estava inclusive condenado, mas fugiu da Colônia Penal Agrícola”, contou o delegado Osmar Dechiche. Márcio teria contado aos policiais que, por estar em liberdade, resolveu praticar crimes menores. “Ele deixou de assaltar bancos, para roubar hotéis de alta categoria”.

Ação

A DFR tem registro de, pelo menos, nove roubos feitos por Márcio. De acordo com as investigações, ele agia sempre da mesma forma e começou a ser temido pelos funcionários e gerentes dos hotéis. “Ele chegava ao saguão do hotel, rendia o recepcionista e pegava todo o dinheiro que estava ao alcance”, explicou o delegado.

Depois do roubo, Márcio já partia para outro hotel, conforme informou o delegado. “Inclusive teve dia em que ele roubou até três locais em uma só corrida”. Na delegacia os policiais tiveram registros de nove assaltos, mas ele teria dito aos investigadores que foram muito mais.

Foragido

De acordo com a DFR, o suspeito dos roubos em Curitiba foi preso logo depois do último assalto, quando teria fugido para o litoral de Santa Catarina (SC). Uma equipe de Curitiba foi até o local onde ele estaria e, com apoio da Polícia Civil do Estado vizinho, cumpriu mandados de busca e apreensão na casa de familiares de Márcio, que não estava em casa. “Por sorte, os policiais encontraram o próprio suspeito caminhando pela rua e ele foi preso”.

Como foi preso em SC, ele ficou detido lá e aguarda a decisão judicial para ser transferido ao Paraná. Segundo a polícia, Márcio já tinha uma extensa ficha criminal, com passagens por roubo, formação de quadrilha, porte ilegal de arma de fogo e cinco condenações na Justiça.

Ele cumpria pelas penas na Colônia Penal Agrícola, antes de fugir. Agora Márcio volta ao sistema penitenciário, sem a possibilidade de retorno imediato à Colônia.