Ao planejar assaltar um bar na Rua Harry Freeken, em São José dos Pinhais, um dos assaltantes não imaginou que a audácia do proprietário poderia ser maior que a sua. Identificado apenas como Agnaldo – através do recibo do conserto de um celular -, o bandido tombou morto do lado de dentro do balcão, com dois tiros disparados pelo dono do estabelecimento, Antônio de Andrade, 63 anos. Em meio ao tiroteio travado, o comerciante também foi baleado. Com um balaço na barriga, ele foi socorrido e encaminhado ao pronto-socorro do município. O comparsa de Agnaldo conseguiu fugir ileso.

A única testemunha da ação dos assaltantes foi o amigo de Antônio, Jair Batista Teixeira, 52, que contou à polícia como a dupla agiu. Segundo o freguês, por volta das 19h50, Agnaldo, que estava armado, entrou no bar Rota do Avião com um comparsa, e, juntos, deram voz de assalto ao comerciante. A dupla “limpou” o caixa, apanhou vários maços de cigarro e, quando já estava na porta, Agnaldo voltou e perguntou a Antônio se ele tinha alguma arma. Depois disso o bar serviu como cenário do tiroteio. “Quando ouvi os tiros eu me abaixei, por isso não consegui ver quem foi que começou a atirar”, contou Jair.

Baleado

Segundo o freguês, em meio à confusão, ele conseguiu correr e foi para a casa que fica em uma rua próxima. Ao sair do local, percebeu que o outro assaltante já tinha fugido. “Eu fui para casa chamar a polícia e o Siate e depois ia voltar, mas minha esposa não deixou. Depois de um tempo, quando retornei para o bar, vi que Antônio não estava mais aqui, e encontrei o bandido morto”, contou Jair.

O proprietário foi socorrido por um homem que passou de carro pelo local. Já, o assaltante baleado, não teve tempo de ser socorrido. Segundo o perito criminal Silvestre, Agnaldo foi morto com um tiro no pescoço e outro no quadril. No local a Polícia Militar apreendeu dois revolveres calibre 38, um do assaltante e outro de Antônio. A investigação do caso será feita pelos policiais da Delegacia de São José dos Pinhais.