Rodrigo César de Grandi, 24 anos, baleado com um tiro na cabeça na noite de terça-feira, morreu ontem de manhã, no Hospital Evangélico. Ele era natural de Bandeirantes, norte do Estado, e morava com a esposa e as duas filhas, há pouco mais de um mês, na última casa da Rua Virgínia Calixto, Umbará.

Segundo testemunhas, dois homens encapuzados foram até a residência, pularam uma grade e bateram na porta da casa. “Eles o chamaram pelo nome. Quando abriu a porta foi baleado, na minha frente e das minhas filhas”, contou Tatiane, esposa da vítima.

Vizinhos

Tatiane disse que o marido trabalhava como motorista em uma lavanderia e não tinha inimigos. Ele mal conhecia os vizinhos, pois a família morava há pouco tempo na região. “Ele não comentou nada. Chegou do trabalho normalmente tomou banho e ficou à toa”, comentou a mulher assustada.

O soldado Aparecido, do 13.º Batalhão da Polícia Militar, que rapidamente chegou no local, disse que vizinhos viram um Corsa branco parado na esquina, duas noites seguidas.

“Segundo algumas testemunhas três pessoas estavam no carro. O motorista ficou no veículo e os outros dois entraram na casa e cometeram o crime”, explicou o policial. Ele disse também que a placa do veículo não foi anotada.