A Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão em 19, das 20 lojas do Auto Shopping Curitiba, um shopping de venda de automóveis no Tarumã, na manhã de ontem. Os computadores de 13 lojas foram recolhidos e serão periciados, sob a suspeita de que alguns lojistas estariam falsificando documentos de clientes, para conseguir aprovar o financiamento deles. Ninguém foi preso, mas não se descarta prisão depois da perícia dos computadores.

O delegado Gastão Schefer, da Delegacia de Crimes contra o Consumidor, da Polícia Federal, esclareceu que as investigações começaram pela denúncia da ex-mulher de um lojista, que também apontou à polícia os nomes de outras lojas que cometiam o mesmo crime. Ele explicou que, alguns clientes das lojas, no ato da compra, não possuíam o comprovante de endereço. Para conseguir aprovar o financiamento do veículo junto aos bancos, os lojistas estariam falsificando os comprovantes de endereço, além de inserir dados falsos do comprador.

Na maioria destes casos, explicou Schefer, o automóvel se transformava no que a polícia chama de “piseira”, automóvel financiando em nome de “laranja” e que só tem as primeiras prestações pagas. Depois disto, o carro continua circulando normalmente, mas a financeira não tem como encontrar o veículo para apreendê-lo pela falta de pagamento, porque o nome do comprador e o endereço são falsos.

Contrabando

“Acreditamos que a maioria destas ‘piseiras’ são usadas no contrabando de armas, drogas e cigarros. Quem acaba pagando o prejuízo é o consumidor que paga suas prestações corretamente, pois para conseguir arcar com o prejuízo, as financeiras tem que aumentar os valores das suas taxas de financiamento”, lamentou o delegado, que não sabe dimensionar o prejuízo das financeiras com este tipo de golpe.

Schefer ainda ressaltou que só a perícia dos equipamentos é que vai dizer quais lojas cometiam o crime.