O preso foi conduzido para
a sede da Guarda Municipal.

A insanidade de toda uma família chegou ao extremo, na tarde de ontem. A pauladas, um homem, portador de deficiência mental, pôs fim à vida da própria irmã, que sofria do mesmo problema. O assassinato aconteceu na zona rural de Mandirituba, a 28 quilômetros do centro do município.

De acordo com o inspetor Renato, da Guarda Municipal da cidade, por volta das 17h os guardas foram até o local indicado, onde encontraram o corpo de Maria Leocádia Czlusniak, 42 anos, jogado no quintal de uma casa. Com várias marcas de agressão na cabeça, o cadáver foi coberto com folhas e gravetos pelo assassino. O que os guardas não imaginavam era que o autor do crime estava a poucos metros dali.

A própria mãe da vítima, que acionou a Guarda Municipal ao encontrar a filha morta, contou que o assassino era o seu outro filho, que estava trancado dentro de casa. Os guardas tiveram que pular uma das janelas para entrar na residência, onde encontraram Luís Czlusniak, 36, dormindo. Ele tentou fugir, mas foi apanhado. De acordo com o que foi apurado, o crime teria acontecido quando Luís irritou-se ao ver a irmã varrendo a casa, apanhou um pedaço de madeira e passou a espancá-la. No momento, somente os dois estavam na casa.

Insanidade

De acordo com os moradores que conheciam a família, Luís, Maria, uma outra irmã e a própria mãe, sofrem de problemas mentais. A vítima e o autor do crime não costumavam conversar com as pessoas e escondiam-se quando alguém os visitava. Luís era conhecido por ter comportamento agressivo e já havia sido internado em Curitiba. Já, a vítima, costumava ser calma e calada. Luís foi levado à delegacia de Fazenda Rio Grande, onde ficará detido, separado dos outros presos, até ser transferido para o Complexo Médico Penal, em Piraquara.

Outro crime em Mandirituba

Um homem, aparentando 40 anos, foi encontrado morto com um corte profundo no pescoço, às 8h20, na Rua da Liberdade, fundos do Colégio Bom Jesus, em Mandirituba. O desconhecido, que não portava documentos, era branco, tinha 1,60 m de altura, olhos verdes, dentes malconservados e vestia calça de brim azul, camisa branca, jaqueta de couro, e calçava tênis preto.

Uma moradora da cidade, que prefere não ser identificada, procurou a polícia, e informou que viu a vítima acompanhada de uma mulher, por volta das 3h30 da madrugada. Ela informou que durante a madrugada a cidade é muito tranqüila e a movimentação rua lhe chamou a atenção. A mulher é a única testemunha do fato e deve ser ouvida nas próximas horas.

Investigações

O superintendente Valdir Bicudo, da delegacia de Fazenda Rio Grande, disse que o caso ainda é um mistério. “É atípico ocorrer isto em Mandirituba. Acreditamos que seja uma desova, já que a cidade é pequena, dificilmente acontece um crime e ninguém conhece a vítima”, salientou o superintendente. Ele lembra que o índice de criminalidade é tão baixo na cidade, que na cidade tem um único policial civil, que trabalha na área de segurança junto com policiais militares e guardas municipais. “Tanto que é a delegacia da Fazenda Rio Grande que vai investigar o caso”, explicou.