Mário ficou caído no pátio de sua casa,
após atracar-se com um desconhecido.

Na luta que travou com o homem que foi procurar sua filha, o motorista de ônibus Mário Ults, 53 anos, foi baleado no rosto e morreu em frente a sua casa. O assassino ainda deu dois tiros para o alto, a fim de dispersar os familiares da vítima que foram em seu socorro, e fugiu, sujo de sangue, pelas ruas do Jardim Guaraituba, em Colombo, às 19h10 de ontem.

A casa de Mário é a terceira instalada em um mesmo terreno da Rua Campo Mourão, naquele bairro. Porém, ele morava a maior parte do tempo em Guarapuava, onde trabalhava. Na residência, em Colombo, sua filha Marisa, 23 anos, ficava sozinha, apesar das visitas freqüentes dos pais. Segundo relatado pelos vizinhos, nesses períodos ela reunia amigos na casa, até tarde da noite. “A gente que acorda cedo para trabalhar, tinha dificuldade para dormir”, contou João Garcia Camargo, cunhado do morto

Assalto

Essas festas que Marisa dava podem ter alguma ligação com o crime, já que há suspeitas que drogas eram usadas pelos freqüentadores. De acordo com Eliseu de Paula Siqueira, outro cunhado da vítima, o assassino chegou perguntando pela garota. “Quando disse que ela não aparecia em casa há uma semana, ele pôs a mão na cabeça e disse: Então é um assalto”, descreveu.

Como resposta à voz de assalto, o cunhado respondeu que não tinha dinheiro. Inconformado, o bandido tentou entrar na casa, empurrando a esposa de Mário, que segurava a neta no colo. Foi o momento em que o motorista de ônibus, que estava sem camisa, “pulou” em cima do assaltante.

Os dois se engalfinharam na frente da residência até que alguém gritou: “Pegue a arma, ele está armado”. Em seguida, houve o disparo e Mário caiu sem vida no pátio. Os cunhados que tentavam interferir na briga foram amedrontados por dois tiros para o alto e o assassino conseguiu fugir.

Investigação

Os soldados Lima e Augusto, do 17.º Batalhão da Polícia Militar, atenderam a ocorrência. Pouco depois do crime, a PM foi avisada que um indivíduo sujo de sangue havia sido visto pelas ruas do bairro e passou a procurá-lo, mas ele não foi encontrado. O assassino foi descrito como tendo cerca de 1,80 m, 80 kg, moreno claro, com cabelos e olhos escuros, aparentando 25 anos, e usando jaqueta bege e calça jeans. O caso será investigado pela Delegacia do Alto Maracanã.