A madrugada de sábado foi violenta em Curitiba. Em menos de duas horas, três pessoas morreram, duas vítimas de tiro e uma agredida.

No Boqueirão, Shallony Anderson Chaves, 21 anos, foi morto a tiros pelo próprio amigo num posto de combustíveis na Rua das Carmelitas, por volta das 3h.

 

Segundo a Polícia Militar, o rapaz foi assassinado com sete tiros no peito de pistola calibre 380. Ele estava acompanhado da mulher e do irmão. Ontem, pela manhã, a esposa e parentes da vítima estiveram na Delegacia de Homicídios para registrar boletim de ocorrência.

 

A mulher, bastante abalada não quis revelar o motivo do crime e disse apenas que o marido e o amigo tiveram uma discussão banal anteriormente.

Em dezembro de 2012, Shallony foi preso com um revólver depois de parar o carro, de madrugada, para a mulher urinar ao lado da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV). Na ocasião, Shallony começou a discutir com o irmão dele, que também voltava da balada e vinha seguindo o carro do irmão numa moto com um amigo. A gritaria chamou a atenção de policiais, que em revista no carro encontraram a arma com numeração lixada. No veículo ainda estava um amigo do casal.

Na época, o delegado Anderson Ormeni Franco, então adjunto da DFRV, comentou que a atuação dos policiais teria evitado um homicídio. Ao ser preso, Shallony negou que a arma era dele. Ele era assistente administrativo e tinha passagem por porte de arma.

Mais

Dois homens, de 24 anos, foram baleados na Rua Brasílio Itiberê, no Rebouças, por volta das 5h de sábado. Bruno dos Santos Ribeiro morreu no local. A outra vítima foi encaminhada em estado grave ao Hospital Cajuru.

No Tatuquara, Marcos Paulo Lucindo, 38, foi agredido até a morte e encontrado por volta das 5h na Rua Professor Antenor da Silva Pupo. Segundo a PM, ele teria sido morto a pauladas e pedradas.

O delegado Dirceu Schactae, que estava de plantão pela Delegacia de Homicídios durante a madrugada, não quis dar entrevista.