Ana Carolina Cunha de Oliveira, de 23 anos, mãe de Isabella Nardoni, de 5 anos, que teria sido jogada do sexto andar de um prédio na zona norte da capital paulista, deixou no início da tarde desta quarta-feira  o 9º Distrito Policial, no Carandiru, sem falar com a imprensa. Ela chegou ao local de manhã acompanhada do namorado e de uma policial civil, e enfrentou um grande tumulto na entrada da delegacia, onde se concentravam os jornalistas. Nesse tumulto, ela teria sido machucada, e essa foi a razão alegada para não dar declarações à imprensa na saída.

Os pais de Ana Carolina, Rosa Maria Cunha de Oliveira e José Arcanjo de Oliveira, chegaram um pouco antes para também prestar depoimentos. Uma testemunha levada pelo advogado do pai da criança, Alexandre Alves Nardoni, também será ouvida nesta quarta (2). A polícia ainda deve tomar outros quatro depoimentos até o fim do dia.

Isabella foi encontrada morta pelo pai no sábado (29) à noite, no jardim do prédio onde ele mora com a mulher, Anna Carolina Trotta Peixoto Jatobá, de 24 anos, e os dois filhos do casal. O delegado titular do 9º DP, Calixto Calil Filho, afirmou, um dia após a morte da menina, que trabalhava com a hipótese de homicídio, apontando que há fortes indícios de que a criança tenha sido arremessada por alguém. Havia vestígios de sangue no apartamento do casal e a tela de proteção da janela do quarto onde estava Isabella foi cortada.