Em reunião realizada ontem com a juíza e o promotor de Almirante Tamandaré, o governador Roberto Requião determinou ações para aumentar a segurança pública naquele município. Entre as medidas anunciadas está um rodízio dos policiais civis e militares que atuam há mais tempo na região, com o objetivo de quebrar contatos locais. Também será enviado um projeto de lei à Câmara Municipal estabelecendo o fechamento dos bares do município às 22h, a exemplo do que foi feito em Fazenda Rio Grande.

O governador também determinou que sejam tomadas medidas mais duras contra bares que abrigam menores de idade. “Se o policial encontrar menor dentro de bar, pode solicitar o fechamento imediato do estabelecimento, porque estará agindo dentro da lei”, disse Requião, que também responde pela Secretaria de Segurança Pública.

Assaltos

O governador ainda solicitou uma reunião entre a juíza Elisiane Minassi e o secretário estadual do Trabalho e Ação Social, Padre Roque, para agilizar a oferta de vagas para menores infratores. Segundo a juíza, menores têm se envolvido em casos graves na região, especialmente em assaltos a ônibus, e há dificuldades para mantê-los reclusos em abrigos especiais, conforme prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente. Segundo Requião, se for necessário, o governo do Estado poderá alugar uma casa para funcionar como abrigo provisório.

Outra medida acertada foi determinar uma reunião semanal, todas as terças-feiras, às 10h30, no Fórum de Almirante Tamandaré, com a participação de representantes do Ministério Público e das polícias Civil e Militar, para orientar e avaliar as ações de segurança e combate ao crime. O governador pretende também estabelecer um convênio com a Prefeitura para desenvolver ações integradas de segurança na região.

A reunião, que aconteceu na manhã de ontem no Palácio Iguaçu, contou com as presenças da juíza Elisiane Minassi, do promotor Diego Fernandes Dourado, do delegado-chefe da Polícia Civil, Adauto Abreu de Oliveira, e do comandante da Polícia Militar, coronel David Pancotti. Participaram também o diretor-geral da Secretaria de Estado da Segurança Pública, Luís Gabriel Passos, o chefe de gabinete da pasta, Marcelo Jugend, e o chefe da Casa Militar, capitão Anselmo José de Oliveira.