Pelo menos 30 pessoas descobriram que foram lesadas pela VC Consultoria, depois de conhecer os golpes aplicados pela empresa. Elas procuraram a Delegacia de Crimes contra a Economia e Proteção ao Consumidor (Delcon) ontem, e foram incluídas no inquérito que investiga as fraudes na concessão de empréstimos consignados a aposentados e pensionistas.

“Muitas outras pessoas procuraram as delegacias mais próximas de suas residências”, afirma o delegado Jairo Estorilio, titular da especializada. Os boletins de ocorrência abertos nos distritos deverão ser encaminhados nos próximos dias à Delcon, que irá unificar as denúncias.

A maioria das vítimas que procuraram a polícia viram na imprensa as notícias sobre as fraudes da VC Consultoria, buscaram documentos recentes e descobriram que também foram lesadas. “Quase todas relataram que não pediram empréstimo algum, e não sabem como aquele dinheiro foi depositado na conta”, explica o delegado.

Mandados

As investigações sobre a ação da quadrilha continuam sendo realizadas em parceria com o Núcleo de Repressão aos Crimes Econômicos. Outros mandados de busca e apreensão foram cumpridos ontem e alguns serão cumpridos ainda hoje no Rio de Janeiro, estado onde a VC Consultoria também atuava.

Permanecem presos Alexandre Rafael Nascimento Santana, 27, gerente da empresa, Letícia Justimiano dos Santos, 23, que tinha a empresa registrada em seu nome, Neviton Pretti Caetano, 59 anos, apontado como líder da quadrilha, sua esposa Shirlei dos Santos Ramos, 36, Arnaldo Weber Júnior, 42, o “Juca”, e Neide Fernandes, 43.

Atenção pra não cair em golpes

Ana Carolina Bendlin

O economista e membro do Conselho Regional de Economia do Paraná (Corecon-PR), Carlos Magno Bittencourt, explica que o primeiro passo para não cair em golpe como da CV Consultoria é avaliar se há necessidade de pedir empréstimo.

“Muitas vezes, quem precisa do dinheiro é o filho, o sobrinho, que fica pressionando para que o aposentado peça o empréstimo”. Ele alerta que é preciso desconfiar de empresas que oferecem muitos benefícios e investem em muita publicidade. A orientação de Bittencourt é que o aposentado recorra diretamente aos bancos.

O advogado da Associação dos Aposentados do Paraná (Apospar), Leonardo Ziccarelli Rodrigues, explica que se deve conferir a lista das instituições credenciadas no site do Banco Central, fazer uma pesquisa de preço e consultar na internet o nome da empresa escolhida para verificar se há denúncias contra ela. Deve-se ficar com uma cópia do contrato, conferir as duas vias e os valores da prestação e das taxas de juros, além de fazer o controle mensal dos descontos e créditos.

Ajuda

Denúncias de golpes podem ser feitas ao Procon, à Delegacia do Consumidor (Delcon), em Curitiba, ou a qualquer delegacia em cidades em que não haja um órgão especializado.

No entanto, existem alguns critérios que devem ser observados antes de realizar a denúncia. Caso o problema seja administrativo ou financeiro, como erros acidentais no contrato ou discussões de taxas, o Procon deve ser procurado.

Se houver retenção de documentos, empréstimo sem autorização, falsificação de assinaturas ou exigência de mais assinaturas que o necessário, é possível fazer denúncia para abertura de inquérito policial.

Responsabilidade compartilhada

Mara Cornelsen e Ana Carolina Bendlin

A coordenadora estadual do Procon-PR, Claudia Silvano, afirma que o BMG, banco responsável pelos empréstimos concedidos aos clientes da VC, já se prontificou a resolver o problema das pessoas lesadas pela empresa.

O Instituto Nacional do Seguro Soci,al (INSS) informou que os contratos fraudulentos poderão ser cancelados em qualquer agência do instituto, bastando a pessoa se dirigir ao balcão e assinar um documento dizendo que não pediu o empréstimo.

Os responsáveis pelo caso no Ministério Público são os promotores de Justiça Clayton Albuquerque Maranhão, Maximiliano Ribeiro Deliberador e Cristina Corso Ruaro, da Promotoria do Consumidor, e Cláudio Franco Félix, da PIP. Eles se reuniram na tarde de ontem. São esperadas para hoje novas informações.

Na mira

A investigação de empresas que oferecem crédito consignado é uma das prioridades nas ações do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa do Consumidor e das Promotorias de Justiça de Defesa do Consumidor. O objetivo do trabalho é combater o superendividamento dos consumidores, decorrente dessa “facilitação” de crédito. Isso significa que outras empresas que trabalham no mesmo ramo poderão sofrer investigações semelhantes as que resultaram no fechamento da VC Consultoria.