Uma manifestação popular cobrou, na tarde de ontem, o aumento da segurança em Almirante Tamandaré e interditou a Rua José Milek Filho. O ato ocorreu a poucos metros da casa onde foi realizado o velório do cobrador de ônibus João Cândido, 60 anos, no Jardim Graziela.

O trabalhador foi morto com um tiro na cabeça, na noite da última terça-feira, no ponto final da linha Vila Prado. O assassinato do profissional revoltou os moradores, que atearam fogo em pneus e em toras de madeira para chamar a atenção das autoridades. Dois adolescentes são suspeitos de matar o cobrador.

Os moradores pedem aumento do policiamento ostensivo. Eles denunciam que para atender toda a população, a Polícia Militar possui apenas duas viaturas. Ele alegam que a reivindicação é antiga.

Colegas do cobrador executado também reclamam que os assaltos que sofrem são constantes, quase que diários. O trânsito no local foi impedido pelos manifestantes. Os carros foram desviados para as ruas próximas, mas não houve tumultos.

Para um dos organizadores, Luciano Milano, 32 anos, a população anda cansada de esperar pelo policiamento nas ruas. “Não é a primeira vez que um trabalhador perde a vida numa tentativa de roubo frustrada. Esperamos que os assassinos sejam presos”, defendeu.

O vereador Antônio Giordano, 50, o Tonhão da Saúde (PTC), disse que o efetivo existe, mas os policiais não têm viaturas para atender a comunidade. “Os policiais militares não podem sair a pé na caça dos bandidos”, disse.

Velório

O sepultamento do cobrador, José Cândido, está marcado para hoje às 10h, no cemitério da região. Ontem, o genro Vilson Hekave, 41 anos, explicou que ele corria atrás dos documentos para dar entrada na aposentadoria da vítima.

“Ele era sapateiro e trabalhava para complementar a renda. Um batalhador”, lamentou, destacando que seu sogro não era aposentado, como chegou a ser divulgado. João era pai de quatro filhos e tinha dois netos.

Polícia

ontem, a polícia de Almirante Tamandaré não tinha informações dos autores do crime. O cobrador foi morto na esquina das Ruas José Real Prado e Luiz Júlio Falcade, no Jardim Novo Horizonte.

Os bandidos estavam armados com revólveres calibre 38. O comando da Polícia Militar informou, por meio de sua assessoria, que deve se manifestar sobre a reivindicação da população só amanhã.