Um desentendimento, agravado pelo consumo de aguardente, provocou um homicídio, em plena luz do dia, em Itaperuçu. João Carlos Dias Pinto, 38 anos, foi morto, às 14h de ontem, com golpes de uma pá cortadeira que causaram profundos cortes em sua cabeça. O corpo permaneceu caído no pequeno quarto do casebre de madeira que ele ocupava, situado nos fundos da Rua Um, Vila Santa Rita de Cássia, localidade mais conhecida por “Buraco Quente”. O suspeito do homicídio foi preso logo depois e encaminhado à delegacia de Rio Branco do Sul.

O crime aconteceu depois do almoço. Segundo informações de um vizinho, a vítima e o autor – que foi identificado extra-oficialmente como Cláudio Machado – estavam bebendo do lado de fora do barraco. Num determinado momento, João entrou na casa, onde morava há dez anos, e o seu companheiro de copo permaneceu do lado de fora, encostado numa parede e com uma garrafa ainda cheia.

Ofensas

Os dois começaram a trocar palavras, provavelmente insultos, o que fez Cláudio entrar na casa e cometer o crime. A vítima foi golpeada na cabeça e caiu morta no quarto. No cômodo ao lado foi deixada a possível arma do crime, uma pá cortadeira. Logo acima do corpo, havia um punhal cravado na parede de madeira que também pode ter sido utilizado no homicídio. O punhal foi levado pela Polícia Científica para perícia.

Depois do assassinato, o autor saiu andando e foi localizado por policiais militares (Manfrom e Werner) 300 metros adiante, quando entrava em um bar. Ele – que também aparentava estado alterado, segundo os PMs – informou que se chamava Cláudio Machado, mas não portava documentos que o identificassem. Foi encaminhado à delegacia de Rio Branco do Sul, que atende ocorrências do município vizinho, para verificação da verdadeira identidade e ser autuado em flagrante.