Em menos de um mês, três incêndios considerados de médias proporções pela Defesa Civil destruíram parte da vegetação no Estado. O terceiro está queimando uma reserva ambiental no Município de Rio Bonito do Iguaçu, região central. Os bombeiros conseguiram controlar o fogo ontem à tarde, mas, até o início da noite ainda não havia sido apagado. Já destruiu mais de 35 hectares. Segundo a Defesa Civil, este ano houve um aumento de 29% no número de queimadas em relação ao período de janeiro a agosto de 2005 no Estado.

A falta de chuva deixou a vegetação mais vulnerável e, todos os dias, o Corpo de Bombeiros registra vários focos de incêndio no Estado. Só ontem, a corporação foi chamada para atender 21 casos. O que vem exigindo mais esforço é o de Rio Bonito do Iguaçu, onde 50 homens trabalham no combate às labaredas.

Há alguns dias outro incêndio preocupou os bombeiros. O fogo atingiu o Morro do Araçatuba, na Serra do Mar, em Tijucas do Sul, Região Metropolitana de Curitiba e no fim de julho foi a vez do Parque Nacional do Iguaçu, na cidade de Céu Azul.

Em Ponta Grossa, os bombeiros também vêm tendo muito trabalho.

O tenente do Corpo de Bombeiros, André Lopes, oficial da área, fez um alerta às empresas do Distrito Industrial para que mantenham as brigadas de incêndio alerta. Esta semana o fogo que começou próximo ao Rio Cará-Cará ameaçou a cervejaria Kaiser, chegando próximo aos dutos de gás.

Descuidos

Segundo informações da Defesa Civil a maioria dos incêndios poderia ser evitada. Eles são provocados pelo descuido das pessoas. São agricultores que colocam fogo para limpar o terreno e perdem o controle das chamas e gente que joga à beira das estradas bitucas de cigarro, além de balões de festas juninas.