O corpo de Silvia Camargo da Silva, 11 anos, foi encontrado na manhã de ontem, boiando no Rio Barigüi, que corta o terreno pertencente à associação da empresa Cavo, na esquina das ruas Raposo Tavares e Fredolin Wolf, Pilarzinho.

A garota estava desaparecida desde a tarde de domingo, quando saiu em companhia de duas primas: Ketlyn Francini Batista e Aline Cristina Gaertner Pinto, ambas com 10 anos.

As três disseram que iriam visitar o padrinho de Sílvia, que mora nas proximidades. Depois não foram mais vistas. Ketlyn e Aline ainda estão desaparecidas. Integrantes do Corpo de Bombeiros, com o auxílio da Polícia Militar, continuavam até o escurecer de ontem a realizar buscas pela região.

Três homens que estavam ajudando nas buscas andavam pelas margens do Rio Barigüi e, por volta das 9h30, viram as costas de uma criança, cujo corpo boiava no rio e acionaram a polícia. Alexsandro Pereira afirmou que estava ajudando nas buscas, assim como grande parte dos moradores do Jardim Kosmos, localidade onde as meninas residiam.

Mais de 20 homens da Polícia Militar e do Corpo do Bombeiros passaram a vasculhar a área para tentar localizar as outras desaparecidas. Inclusive cães farejadores trabalharam na operação. Investigadores da Delegacia de Homicídios também colaboraram.

Com a retirada do corpo de Silvia a perita Jussara Joeckel, da Polícia Científica, realizou os primeiros exames e, segundo informou, a criança não possuía sinais aparentes de lesão traumática, o que indica um possível afogamento. ?Somente com exame de necropsia para determinar a causa exata da morte?, afirmou.

Familiares e pais das crianças acompanharam de longe -apreensivos – o trabalho da polícia e dos bombeiros.

A criança foi identificada pela mãe, assim que o corpo foi colocado no camburão do IML. ?É a correntinha dela? gritou. A mãe entrou em desespero e foi amparada.

Bombeiros continuam as buscas

O avô da vítima, Paulo Cândido da Silva, confirmou a história de que as primas saíram juntas para visitar o padrinho de uma delas. Ele tem esperança de encontrar as outras duas meninas desaparecidas com vida, mas não está muito confiante. ?Se uma delas foi encontrada assim…?, divagou.

Acredita-se, que ao invés de irem visitar o padrinho, as garotas foram se banhar no rio, motivadas pelo calor de domingo. Entretanto, o tempo mudou repentinamente e ocorreu uma forte chuva no final da tarde, o que pode ter contribuído para o possível afogamento delas, devido a correnteza do rio.

Soldados do Corpo de Bombeiros permaneceram percorrendo o rio com bote inflável à procura das garotas.