Os pais de um menino, de 1 ano, estão revoltados porque, na quarta-feira, quando foram buscar o filho em uma escola particular, no Capão da Imbuia, receberam a criança dos braços da professora com marcas de mordida nos braços e com o rosto ralado. Ouviram dos funcionários da escola que uma menina, da mesma idade, era a autora das mordidas.

“Percebi apenas uma marca na mão. Mas quando fui dar banho nele, em casa, descobri as outras. Em contato com a água, ele começou a gritar muito e a vomitar”, descreveu a mãe Ana Carolina Souza.

Ela levou o filho ao Hospital Pequeno Príncipe, onde os médicos constataram que, além das mordidas, o menino provavelmente tenha sofrido uma queda. “Era a explicação para os ferimentos no rosto e os vômitos’”, disse a Ana Carolina.

Exame

Junto com o marido, ela foi até o Instituto Médico-Legal para fazer exame de corpo de delito na criança, em seguida, registraram boletim de ocorrência no 1.º Distrito Policial (Centro).

“O laudo do IML deve ficar pronto em 30 dias. Com esse documento em mãos, pretendemos processar a escola e a professora que cuidava dele”, afirmou Paulo Correia da Rosa, pai do menino.

A direção da escola informou que havia uma professora e uma assistente cuidando da sala onde estavam cinco crianças. Uma delas teria saído para esquentar uma mamadeira e a outra, ficado na sala.

“A menina mordeu-o num lapso de segundo. As crianças são muito bem cuidadas. A escola atende a comunidade há 16 anos e nunca houve problema parecido”, informou a diretoria administrativa. Além disso, os diretores garantiram que o menino não sofreu nenhuma queda dentro da escola.