Crise de ciúme pode ter sido responsável pelo assassinato do metalúrgico Ismael Rodrigues, 41 anos, na manhã de ontem, no Sítio Cercado. Ele foi morto com sete facadas, nos fundos de sua casa, na Rua Milton Miramar Visinoni, Bairro Novo A. Vizinhos contaram à polícia que o homem que invadiu a residência e atacou a vítima seria namorado da ex-mulher de Ismael.

Por volta das 9h, a vizinhança ouviu barulhos na casa do metalúrgico. Com um facão na mão, alguém abriu o portão, arrombou a porta de entrada e avançou em direção a Ismael, que estava sozinho. O metalúrgico possivelmente já sabia que a intenção do invasor era matá-lo.

“Ele encostou uma escada no muro para escapar pelo telhado do vizinho. Mas o criminoso derrubou a escada e a vítima”, informou o soldado Baumann, do 13.º Batalhão da Polícia Militar.

Em seguida, o assassino esfaqueou o metalúrgico. De acordo com a perita Clélia, do Instituto de Criminalística, Ismael foi atingido por sete facadas, cinco no pescoço e duas no rosto.

Vizinhos

O barulho da queda da escada e os gritos da vítima chamaram a atenção dos vizinhos. Quando se deram conta que algo havia acontecido, viram um homem saindo da casa, correndo, com o facão na mão.

“Pelas características que as testemunhas passaram, o autor seria o amásio da ex-mulher de Ismael”, contou Baumann. Enquanto o criminoso fugia, Ismael agonizava nos fundos da casa. Socorristas do Siate chegaram rapidamente, porém encontraram a vítima já sem vida.

Os investigadores da Delegacia de Homicídios conversaram com moradores e, até o fim da tarde, não haviam identificado o assassino. Por enquanto, não foi confirmada a participação do atual amásio da ex-mulher de Ismael.

Relacionamentos

Assim que ficou sabendo do crime, a ex-mulher de Ismael foi até a casa do metalúrgico. Ao ver o homem no chão, entrou em pânico e teve que ser acalmada pelos policiais. Bastante nervosa, contou que tinha conversado com Ismael durante o fim de semana. “A gente ia voltar a ficar juntos”, lamentou. O casal se separou há cerca de dois meses e, durante esse tempo, os dois se envolveram com outras pessoas.

O principal suspeito do crime é o homem que se relacionou com a ex-mulher nas últimas semanas. Conhecidos da vítima comentaram que Ismael vinha sendo ameaçado por essa pessoa.

“Outro dia ele veio aqui em casa e pediu uma arma porque estava sendo ameaçado. Disse que chegaram a oferecer R$ 3 mil para quem o matasse”, relatou um vizinho, que preferiu não se identificar.

Na noite de domingo, duas pessoas foram vistas rondando a casa de Ismael. Uma das filhas do metalúrgico ligou para o avô, que recomendou que fossem até a polícia pela manhã.

“Mas não houve tempo, o mataram antes”, lamentou o sogro. Ismael morava com as três filhas, de 12, 14 e 15 anos, que estavam na escola no momento do crime.