Velocidade fez outra vítima.

Ao atravessar a Rua Professor Nivaldo Braga, perto da esquina com a Rua Nivaldo Thá, Romana Berge Fernandes, 67 anos, foi atropelada por um Fiat Uno, com placa de Colombo, às 19h de quarta-feira. Segundo familiares, três vezes por semana, naquele horário, ela atravessava a movimentada rua para se encontrar com uma amiga e as duas iam para a igreja.

A rua é considerada perigosa por todos os moradores. Conforme relataram, a velocidade desenvolvida pelos carros e motos é muito superior ao limite estipulado pelas placas, de 40 km/h. “Isso aqui é uma pista de corridas, não importa a hora do dia ou da noite”, denunciou um morador. Levantamentos efetuados no local pela perita Patrícia, da Polícia Científica, indicaram ser de cerca de 60 metros a distância entre o local do atropelamento e onde a vítima foi parar.

O carro fugiu, mas uma moradora próxima contou que o motorista parou, foi tentar socorrer a vítima, mas, ao perceber que ela estava morta, resolveu ir embora A placa foi anotada.