A aposentada Adeli Benvenuti Palma, 78 anos, foi encontrada morta às 8h30 de ontem, em sua casa na Rua Antônio Ferreira Barbosa, 325, no Capão Raso, em Curitiba. O corpo estava na cama, coberto por vários cobertores e roupas. O quarto onde a vítima se encontrava estava totalmente revirado, o que faz a polícia acreditar que a mulher foi vítima de ladrões. O suspeito do crime é um andarilho, que prestou serviços na casa da vítima.

O perito Vitório Librelon, da Polícia Científica, informou que a causa da morte só poderá ser detectada com a necropsia, já que o cadáver estava em adiantado estado de decomposição. Mas ele crê que a mulher foi assassinada, devido o desalinho do quarto e por uma das janelas da casa ter sinais de arrombamento e uma escada. “Na lateral da casa, há um janela sem grades e que era amarrada só com fios. Ao lado, havia um caixote e marcas de alguém que entrou por ali. Os vidros também estão quebrados”, comentou o perito. Ele explicou que o estado de putrefação pode ter sido em decorrência de a casa estar fechada e a vítima coberta por roupas e cobertores.

Sumiço

Os familiares da aposentada disseram que a última vez que entrou em contato com ela foi na última quarta-feira. Na terça-feira anterior, a casa do neto de Adeli, que fica ao lado, foi atacada por ladrões que levaram vários objetos. “Foi a minha avó que contou para nós”, lembrou Luís Henrique Scheibe, neto de Adeli. Ele disse que ela recebia uma aposentadoria do governo italiano, mensalmente, em torno de R$ 2 mil. “Variava por causa da cotação. Ela tinha caderneta de poupança, mas nem sempre depositava o dinheiro no banco. Às vezes, guardava um pouco em casa”, lembrou o neto. Ele disse que não sabe o local exato e, por isso, é difícil informar se realmente foi levado dinheiro e o valor exato. “O dinheiro podia estar no quarto já que quem matou revirou tudo”, salientou o rapaz.

Suspeito

Luís informou que a avó era uma pessoa muito boa e gostava de ajudar as pessoas. Adeli e o marido passaram fome e vieram da Itália para o Brasil em 1949. “Ela estava ajudando um andarilho. Ele derrubou um pedaço do muro para ela, que separava a casa dela com a do meu primo. As duas residências eram da minha avó e meu primo morava do lado para cuidar dela”, disse Luís. Ele suspeita que o andarilho foi o autor da morte da avó.

Ele disse ainda que Adeli era uma pessoa independente e ficava a maior parte do tempo sozinha. À noite, um de seus filhos costumava sair com a mulher para lhe fazer companhia.