Depois de sete anos batendo na mulher, Roberto da Silva Vieira, 28 anos, resolveu agredir um policial que veio ajudá-la e foi morto com um único tiro. A confusão teve início por volta das 23h de sexta-feira.

Roberto e Rose Fernandes viviam em uma casa nos fundos do terreno de número 2619 na Rua Eduardo Pinto da Rocha, no Sítio Cercado, e recentemente se mudaram para a casa da frente. As constantes brigas entre o casal só foram percebidas pelos vizinhos depois da mudança.

Na noite de sexta, Roberto chegou em casa agressivo e ameaçou a esposa e o filho com um facão. Rose pegou o celular para pedir socorro à Polícia Militar, mas teve o aparelho quebrado pelo marido.

Com medo do que poderia acontecer com ela, vizinhos ligaram para o número 190 e pediram para Roberto parar, porém também foram agredidos. Quase toda a mobília da casa foi destruída.

Quando a equipe do 13.º Batalhão de Polícia Militar chegou à residência, Roberto estava sobre a laje ainda fazendo ameaças. Um dos policiais tentou abordá-lo, mas foi golpeado com o facão e reagiu com um único disparo, que finalmente parou a fúria de Roberto. Uma equipe do Siate foi acionada para tentar socorrê-lo, mas ele já estava morto.

Em entrevista à Rádio Banda B, Rose declarou que a situação chegou a este ponto porque ela nunca se defendeu. “Ele sempre foi assim, agressivo, só que eu nunca chamei a polícia e nunca fiz nada”, afirmou. Roberto já esteve preso.

O policial foi medicado e seguiu para o Instituto Médico Legal, onde fez exame de lesões corporais. O facão foi apreendido e levado ao Centro Integrado de Atendimento ao Cidadão (CIAC-Sul), onde várias testemunhas prestaram depoimento.