Celso foi brutalmente assassinado
um dia antes de viajar para o Japão.

Um dia antes de viajar em busca de uma nova vida no Japão, Celso Takahashi Silva, 21 anos, foi visitar amigos no Cajuru e morreu com tiros disparados por um garoto, de 15 anos, às 18h de ontem. Policiais militares do Regimento de Polícia Montada RPMont e investigadores da Delegacia de Homicídios já tinham a identificação do assassino, morador nas proximidades.

Celso parou seu Pálio, placa CFM-3924, na Rua Jacinto Torres, quase esquina com a Rubens Padilha Mendes. De acordo com informações apuradas pelos soldados Baumann e Valter Luiz, três menores atiraram uma pedra no carro e chutaram o veículo. Celso foi tirar satisfações e teria dito que chamaria a polícia. Um dos meninos foi para casa se armar. Quando o rapaz saía da loja de seus amigos, que fora visitar, foi alvejado por quatro tiros de pistola, ainda no portão e tombou dois degraus da escada da entrada, já sem vida.

Estupidez

Segundo relato de testemunhas, o assassino de 15 anos foi instigado pelos companheiros, também menores de idade, com frases do tipo “atira se for homem”. O garoto preferiu transformar-se num ser não-civilizado e disparou. Celso foi atingido no rosto, pescoço, ombro e costas, segundo avaliação preliminar da perita Jussara Joeckel, do Instituto de Criminalítica. Próximo ao corpo foram recolhidos três cartuchos de pistola 9mm e um de 380. “Apesar da diferença de calibres, todos os tiros podem ter sido dados da mesma arma”, comentou a perita, acrescentando que, provavelmente, os disparos tenham sido dados por trás do carro.

O delegado José de Deus, da Delegacia de Homicídios, já possui o apelido do assassino. “Esta situação é um absurdo. O controle de armas entre a população é um problema que deve ser solucionado”, avaliou. O menino e seus comparsas estão sendo procurados pela polícia.