O Ministério Público informou ontem que vai aguardar o retorno das férias da juíza da 9.ª Vara Criminal de Curitiba, Ana Lúcia Lourenço, para se pronunciar sobre a rejeição das denúncias feitas pelo MP depois da operação Grande Empreitada, da Polícia Civil. Ana Lúcia rejeitou a denúncia feita pela promotora Marla Blanchet considerando-a generalizada, o que dificultaria a defesa dos acusados. O caso voltou para o MP. O MP denunciou sete pessoas por formação de quadrilha e outras 29 por fraudes em licitações. Os cinco dirigentes e consultores da Associação Paranaense de Empresários de Obras Públicas (Apeop) e um funcionário da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), tiveram a prisão preventiva revogada no mês passado e aguardam decisão da Justiça sobre abertura de processo.