Alberto Melnechuky
Iracy foi atender desconhecidos.

A operadora de telemensagens Iracy de Araújo Morais de Oliveira, 41 anos, foi morta a tiros no portão de sua casa, na noite de terça-feira, por dois rapazes desconhecidos que lhe chamaram no portão. O crime foi na Rua Delegado Ruy Rebello Vieira, Bairro Novo, por volta de 19h40.

De acordo com as informações coletadas pelo investigador Sydor, da Delegacia de Homicídios, a filha de Iracy, Tatiane, presenciou o crime. Ela contou que sua mãe estava no segundo andar do sobrado quando algumas pessoas a chamaram pelo nome no portão. Iracy foi atender, e de acordo com Tatiane, os garotos teriam perguntado: "Iracy, é aqui que funciona o telemensagem?". Quando ela respondeu que sim, o outro rapaz sacou uma arma e atirou contra a cabeça dela. Quando a mulher se virou, recebeu mais um tiro no peito.

Investigação

"Ela não tinha briga com ninguém, todos gostavam dela. Moramos aqui há 15 anos", contou a filha. Iracy havia reservado um dos cômodos de sua casa para montar o serviço de telemensagens, com que trabalhava há bastante tempo.

O investigador Sydor não acredita em morte por engano. "A filha disse que a mãe nunca teve problemas com o negócio, como mandar mensagem errada, ou algo parecido", disse. O investigador admitiu que já tem informações relevantes sobre o caso, mas preferiu não divulgá-las, para não prejudicar as investigações.