Parte do óleo vegetal que vazou de um caminhão que tombou no quilômetro 44 da BR-277, na manhã da última segunda-feira, atingiu o Rio da Serra, afluente do Rio Pinto. O veículo estava carregado com 40 mil litros de óleo, dos quais 37 mil litros vazaram. Apesar do trabalho de contenção realizado por técnicos do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema), grande parte do produto atingiu o afluente.

Segundo o IAP, o óleo não é considerado perigoso. Porém, em contato com recursos hídricos, pode dificultar a respiração de peixes e plantas, levando-os à morte por falta de oxigênio. “O óleo vegetal não é tóxico, mas também pode trazer algum prejuízo à captação de água da região”, diz o engenheiro do IAP João Carlos Rompkoski.

Análises

Técnicos estão fazendo análises da água dos rios da Serra e Pinto. Um laudo sobre o acidente deve ficar pronto dentro de dez dias. “A partir do laudo é possível avaliar os prejuízos ambientais e determinar o valor da multa aos responsáveis”, informa o IAP.

As responsabilidades sobre o acidente também estão sendo analisadas. O transporte do óleo para o Porto de Paranaguá estava sendo feito pela JJM Transportes Rodoviários, de Ponta Grossa. Segundo testemunhas, o motorista do caminhão, Cristian de Oliveira, de 27 anos, estava em alta velocidade e perdeu o controle do veículo. Ele sofreu apenas ferimentos leves.