O padre Sílvio Andrei Rodrigues, preso em 16 de maio pela Polícia Militar, foi denunciado criminalmente pela 1.ª Promotoria de Justiça da Comarca de Ibiporã, na região de Londrina. O Ministério Público denunciou o religioso por importunação ofensiva ao pudor, ato obsceno, corrupção ativa, e embriaguez ao volante.

A ação penal foi elaborada a partir de inquérito da delegacia do município. O padre foi detido por policiais militares, chamados por um adolescente, que alegou ter sofrido violência sexual pelo sacerdote.

Andrei estava nu dentro do carro e foi preso em flagrante. Os PMs disseram que, na hora da abordagem, o padre propôs sexo oral e também certa quantia em dinheiro para ser liberado.

Casamento

O advogado de defesa, José Adalberto Cunha, disse que o padre tinha acabado de celebrar um casamento em Londrina e que, durante as comemorações, tomou vinho, e supostamente passou mal, pois ele toma remédios para depressão. O advogado disse também que o assédio sexual não existiu e que os policiais agiram com grosseria. O assédio foi confirmado no depoimento do adolescente.