A tranquilidade de Tunas do Paraná foi abalada por um crime bárbaro. Pai e filho foram assassinados na chácara onde moravam, em Barro Vermelho, às margens da BR-476 (Estrada da Ribeira), a cerca de dez quilômetros do centro da cidade.

O corpo de Fortunato Calixto de Souza, 70 anos, foi encontrado na tarde de domingo, e o de Davi Calixto de Souza, de apenas 11 anos, na manhã de ontem, a 300 metros de distância.

Os corpos estavam em avançado estado de putrefação, o que impossibilitou a perícia de apurar a causa das mortes. O duplo homicídio aconteceu há cerca de uma semana. Familiares acreditam que os autores tivessem intenção de roubar o proprietário da chácara.

Um parente comentou que o homem costumava guardar dinheiro em casa. “Só pode ser isso. Não tem outro motivo”, disse Adair dos Santos de Souza, tia do garoto.

Carreiros

Fortunado e Davi moravam sozinhos e plantavam milho no terreno. Eles foram vistos pela última vez na terça-feira da semana passada, caminhando pela Estrada da Ribeira.

Com o passar dos dias, a vizinhança desconfiou do sumiço dos dois e, no domingo, chamou a polícia. Um carreiro bastante inclinado, de aproximadamente 500 metros pelo meio do mato, conduziu os policiais até a casinha de madeira, onde encontraram o corpo de Fortunato. Porém, já escurecia e somente na manhã seguinte parentes acharam o garoto em um carreiro.

A perita Jussara Joeckel, do Instituto de Criminalística, acredita que os dois foram atacados na casa. “O filho, mesmo ferido, tentou fugir. Correu pelo carreiro, mas devia estar bastante machucado e não resistiu”, relatou. A suspeita é que ele tenha sido agredido a pancadas, já que não havia rastro de sangue.

Motivo

A polícia não confirmou a hipótese de latrocínio (roubo com morte), porque não ficou comprovado que algo foi levado pelos assassinos. Os investigadores também não descartaram que alguém possa obter vantagem financeira a partir da morte do proprietário da chácara e de seu filho. O crime é investigado pela delegacia de Bocaiuva do Sul.