Diogo César Rosa Fernandes Asnar e Reginaldo Miguel Goras são investigados por policiais do Núcleo de Combate aos Cibercrimes (Nuciber), suspeitos de pedofilia. Por mensagens de celular ou de canais de comunicação pela internet, eles convenciam meninas a lhes enviarem fotos nuas, segundo a polícia.

De acordo com o delegado Demétrius de Oliveira, titular do Nuciber, foram cumpridos quatro de busca e apreensão, na sexta-feira. Reginaldo foi localizado em Almirante Tamandaré. Por intermédio do primo de uma menina de 11 anos, ele começou amizade com a criança e a trocar mensagens de celular com ela. Em cerca de seis meses de conversa pelo celular, ele convenceu a menina a lhe mandar fotos nuas.

Quando foi preso, ele confessou o crime, mas as fotos já não estavam mais em seu aparelho, que mesmo assim foi apreendido e encaminhado à perícia. Segundo a polícia, não há indícios de que Reginaldo cometesse o crime com frequência. É provável que tenha se envolvido apenas com esta menina.

Rede

Já Diogo é suspeito de manter uma rede de amigos pedófilos, com quem trocava fotos e vídeos de crianças e adolescentes. Ele foi localizado em sua residência na cidade litorânea de Itanhaém (SP). Mas a polícia também cumpriu mandados de busca e apreensão na casa onde ele morou, na capital paulista, e em Registro (SP). Uma das vítimas de Diogo foi uma criança, de 9 anos, moradora no Paraná.

De acordo com a polícia, ele aliciou a menina pela internet, mandando a ela fotos de crianças e adolescentes em cenas de sexo explícito, para convencê-la a aparecer nua em frente à webcam. No computador dele, apreendido para perícia, a polícia encontrou milhares de fotos e vídeos criminosos. Os suspeitos foram indiciados e estão à disposição da Justiça.

Safados se passam por crianças

O delegado Demétrius de Oliveira, do Nuciber, alertou que crianças e adolescentes são, na maioria das vezes, aliciados em comunidades de relacionamento na internet. Nas salas de bate-papo, os pedófilos se apresentam como se tivessem a mesma idade das vítimas. Depois de adquirir a confiança e transferir o bate-papo para ambiente privado, as convencem a tirarem a roupa e enviarem os vídeos e fotos suas, sem roupa.

No Facebook, os pedófilos procuram perfis de garotas que gostam de postar fotos indiscretas demais para a idade. Percebendo a “vaidade” das meninas, os pedófilos pedem para serem adicionados à rede social da vítima e começam os bate-papos privados. Dos cerca de 40 casos de pedofilia tramitando no Nuciber, em pelo menos 12 os jovens tiraram a roupa. Os pais descobriram e chegaram com as fotos na delegacia para denunciar o crime.

Controle

Demétrius explicou que, com a difusão da tecnologia, ficou mais difícil controlar as atividades dos filhos. Existem programas de monitoramento, gratuitos e confiáveis, que monitoram as atividades das crianças em computadores.

Para máquinas e celulares que funcionam com o Windows, por exemplo, a própria Microsoft tem um programa disponível em seu site.

“O smartphone, a criança o leva para debaixo do cobertor, quando os pais estão dormindo, e fazem o que querem. Falta mais diálogo dos pais com os filhos, que soltam muito facilmente a tecnologia nas mãos dos filhos”, alertou o delegado, que ainda não conhece aplicativos confiáveis para celular que façam este monitoramento.