Um jovem de classe alta, aparentemente embriagado, causou a morte de duas pessoas em um grave acidente no bairro Juvevê, em Curitiba, na madrugada de ontem.

Leonardo Brandalise Kucinski, 19 anos, estudante universitário e um dos herdeiros da família que administrava a Perdigão, conduzia a Mitsubishi ASX 2.0 com placa personalizada, ASX-8998, pela rua José de Alencar, pouco depois das 2h. Uma única testemunha, de acordo com o Batalhão de Polícia de Trânsito, viu quando ele, em alta velocidade, invadiu a calçada, derrubou um semáforo na esquina com a Rua Augusto Stresser, e atingiu um táxi.

A testemunha não soube informar se o táxi trafegava pela rua ou se estava estacionado.

Destroçados

O Classic AOC-0778 foi atingido lateralmente, e arremessado até o outro lado da rua. A Mitsubishi do estudante ainda derrubou placas de sinalização, uma placa de publicidade e atingiu o muro e o portão de um prédio. O táxi ficou completamente destruído. O corpo do passageiro, Ricardo Possoli Filho, 62 anos, foi arremessado sobre o do motorista, Edson Salvador de Lara, 49. Assim que chegaram ao local, às 2h30, policiais do Batalhão de Trânsito chegaram a pensar que se tratava de um único cadáver.

Sem bafômetro

Em meio ao rastro de destruição, Leonardo saiu do veículo dele com ferimentos leves no rosto. Segundo os policiais, ele apresentava claros sinais de embriaguez, mas se recusou a fazer o teste de alcoolemia e teve de ser retirado do local depois que vários taxistas chegaram e se mostraram revoltados com a colisão. Uma viatura do 20´ Batalhão de Polícia Militar também foi até o cruzamento para prestar apoio, e o clima ficou tão tenso que um colega de Edson acabou detido por desacato.

Leonardo foi encaminhado à Delegacia de Delitos de Trânsito e lá, novamente, se recusou a fazer o teste de alcoolemia. Ele foi autuado em flagrante por duplo homicídio e permaneceu preso. A equipe de plantão informou que o juiz de plantão seria informado do caso 24 horas depois, para decidir se irá manter a prisão ou liberar o estudante.

Funcionários da Copel e da Urbanização de Curitiba passaram a manhã trabalhando para organizar novamente a sinalização no cruzamento. Os corpos foram recolhidos ao Instituto Médico Legal, e os veículos ao pátio do Departamento de Trânsito.