O soldado da Polícia Militar Marcelo Ribeiro, 29 anos, morreu ontem no Hospital do Trabalhador, após permanecer mais de três meses internado. Ele havia sido baleado na noite de 18 de junho, na frente de sua residência, na Rua Birigüi, Vila Nossa Senhora da Luz, Cidade Industrial, juntamente com outras três pessoas identificadas como Ezequiel Carneiro, 20 anos; Everton Ribeiro de Freitas, 23, e o adolescente L.E.L., 17. Marcelo é o 15.º policial militar morto este ano em todo o Paraná, de acordo com dados da assessoria de imprensa da corporação. Desse total, apenas cinco estavam em serviço.

Marcelo era lotado no 12.º Batalhão da PM e prestava serviço nas ruas. No dia do atentado, ele estava de folga, conforme informou o comandante daquele batalhão, tenente-coronel Pirollo. As investigações sobre o crime estão sendo conduzidas pela Delegacia de Homicídios. De acordo com Pirollo, a PM ainda não tem dados confiáveis sobre o motivo do atentado contra o policial. “Não podemos afirmar nada baseado em especulações. Estamos recolhendo dados e subsidiando a Polícia Civil que é responsável pelas investigações”, complementou o coronel.

Futebol

Everton e o adolescente saíram do Tatuquara e foram até a casa de Marcelo, na Rua Birigüi, Praça 4, Vila Nossa Senhora da Luz, CIC, para acertar detalhes de uma partida de futebol. No caminho, um Voyage branco quase os atropelou e em seguida uma motocicleta vermelha, com dois indivíduos sem capacetes, passou por eles. A moto voltou e seus ocupantes, já com a arma em punho – uma metralhadora – começaram a atirar. Minutos antes, os mesmo motoqueiros haviam disparado tiros na Praça 6 da mesma vila, atingindo Ezequiel.