Os 217 aparelhos de ar-condicionado e
87 máquinas de lavar louça valem R$ 166 mil.

A compra de cinco aparelhos de ar-condicionado levou um comerciante à cadeia e a polícia a recuperar uma carga furtada no interior do estado. Cerca de R$ 100 mil em eletrodomésticos estavam escondidos num barracão na região metropolitana de Curitiba, mas parte da mercadoria ainda está em poder de receptadores.

A carga de 217 aparelhos de ar-condicionado e 87 máquinas de lavar louça – avaliada em R$ 166 mil – sumiu em janeiro de um posto de combustíveis em Ortigueira (PR). O motorista teve um problema mecânico no caminhão, quando seguia de Joinville (SC) para Douradina (PR). A carreta ficou no posto e o caminhão voltou de reboque para Joinville. Só 16 dias depois a empresa responsável apareceu para buscar a carga, que já não estava mais lá.

Barracão

Através de uma denúncia anônima, o 4.º Distrito Policial (São Lourenço) soube que parte da mercadoria havia sido revendida a Denílson Azevedo dos Santos, 26 anos, dono de um pequeno restaurante no Abranches. Segundo o superintendente Rubens Chaves, do 4.º DP, o comerciante comprou cinco aparelhos de ar-condicionado por R$ 170,00 a unidade – que custa R$ 700,00 no mercado. “Ele confessou que, pelo preço, imaginava que era roubado”, disse o policial.

Preso, Denílson revelou nomes e apelidos de responsáveis pelo furto e pela revenda dos produtos. As informações levaram os policiais ao barracão anexo a um posto de combustíveis na região metropolitana – a polícia prefere não revelar o município -, onde estavam as 212 unidades restantes de ar condicionado.

O dono do posto foi intimado a depor, mas num contato telefônico adiantou que o barracão é alugado para terceiros. “Se ele apresentar o contrato de locação, teremos melhores pistas dos criminosos”, disse o superintendente.

Segundo a polícia, as lavadoras de louça podem estar em outro Estado. Denílson foi autuado por receptação, mas é considerado o “laranja” da história. “É a pessoa que quer se dar bem. Estamos atrás dos verdadeiros receptadores e dos autores do furto”, falou Chaves.