e133031204.jpg

Formatura ocorreu ontem,
na Escola da Polícia Civil.

A partir de hoje, a Polícia Científica do Paraná passa a contar com o serviço de 24 novos auxiliares de necropsia que vão trabalhar nos Institutos Médicos Legais (IMLs) de todo o Paraná. A formatura dos novos profissionais aconteceu ontem, na Escola Superior da Polícia Civil, em Curitiba.

Os novos auxiliares de necropsia prestaram concurso público em 2002 e foram chamados neste ano, por determinação do governador Roberto Requião. Como pré-requisito foi exigido dos candidatos o ensino médio completo. "Mas nos surpreendemos com a qualificação dos alunos. Cerca de 90% deles têm ensino superior completo ou incompleto", disse o diretor do IML no Paraná, Helio Bonetto. Além das aulas de Medicina-Legal, os alunos estudaram ainda disciplinas como Direitos Humanos, Ética e Cidadania, Abordagem Sociológica e Psicológica da Violência e Legislação Penal. "Isso é necessário para o profissional lidar com a morte e tudo o que ela envolve. Muitas vezes, o auxiliar de necropsia tem que atender aos familiares de vítimas de morte violenta ou mesmo atender à ocorrência no local de crime. Por isso, o trabalho deles não se restringe à sala do necrotério", disse a diretora da Escola Superior da Polícia Civil, Charis Negrão Tonhozi.

O formando Elieser Taporoski contou que queria ser policial civil para trabalhar com investigação, mas disse que encontrou a realização profissional que procurava no trabalho de necropsia. "Também farei investigação, porque as pistas que fornecemos aos policiais são muito importantes para encontrar culpados por crimes", explicou.