A Polícia Civil do Paraná corre o risco de ver suas atividades paralisadas por seus próprios policiais.

Delegados, investigadores e agentes de operações estão com seus coletes balísticos vencidos e ameaçam não ir para as ruas enquanto o equipamento básico de segurança não for substituído.

Pelo menos 42 delegados de todas as regiões do estado já encaminharam ofício à Associação dos Delegados do Paraná (Adepol) e informaram que não vão participar de operações até que o governo do estado forneça novos coletes que estejam dentro do prazo de validade.

Segundo a Adepol, mais de 3 mil dos 4,3 mil servidores da Polícia Civil – de delegados a agentes de operações – estão com coletes balísticos com a data de validade vencida. Em maio do ano passado, o Sindicato dos Investigadores do Paraná (Sipol) já havia enviado um ofício à Sesp, informando do vencimento dos coletes.

Apesar disso, as instituições policiais afirmam que os equipamentos não foram substituídos. A Sesp informou que deve receber 800 novos coletes balísticos, doados pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp). Além disso, tramita uma licitação para a aquisição de outras 3 mil unidades.