Nove moradores do assentamento João Maria Agostinho, em Teixeira Soares, região dos Campos Gerais, foram presos ontem pela Polícia Federal (PF) por formação de quadrilha. De acordo com a PF, os seis homens e três mulheres presos estavam sendo investigados há quase dois anos por cortar, transportar e vender madeira ilegalmente. O assentamento fica nas proximidades de uma área de reserva legal.

As investigações foram iniciadas depois da apreensão de dois carregamentos de madeira vindos da região. As nove pessoas tiveram a prisão preventiva decretada pela 1.ª Vara Criminal Federal em Ponta Grossa e estão detidas na delegacia da Polícia Federal em Curitiba. Após colher o depoimento dos detidos, a PF pretende dar continuidade nas investigações para averiguar se mais moradores do assentamento ou pessoas de fora estão envolvidos com a quadrilha.

Esse não é o único caso de extração ilegal de madeira em reservas próximas a assentamentos. A Polícia Civil de Quedas do Iguaçu, região sudoeste do Estado, investiga a existência de uma quadrilha contrabandeando madeira no assentamento Celso Furtado. Até o mês passado, 17 carregamentos de madeira extraída ilegalmente do assentamento já foram apreendidos pela polícia. Trinta pessoas já foram presas na região.