A Polícia Federal, em ação conjunta com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), prendeu em flagrante, no final da tarde de quinta-feira, duas pessoas acusadas de corrupção. A funcionária Roslei Francisca Possato teve seu nome envolvido em denúncias de irregularidades e o Ibama pediu auxílio à Polícia Federal para abrir investigações. Na quinta-feira, ela foi presa em flagrante por corrupção passiva ao receber envelope contendo R$ 10 mil do contador da madeireira Borabora, também detido na operação por corrupção ativa. Os dois continuam detidos na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. As investigações iniciais dão conta que o dinheiro seria referente a propina para que a empresa obtivesse favorecimento ilegal.

?Paralela à investigação da PF, estamos tentando descobrir qual era a irregularidade da empresa e de quanto seria a multa?, explicou o superintendente substituto do Ibama, Valdeci Raimundo.

Roseli continua presa na Polícia Federal e está impedida de atuar fiscalização e passará a atender apenas dentro do Ibama. Dependendo do rumo das investigações, ela pode ser afastada do órgão no qual trabalha há 15 anos, mesmo sendo concursada. ?Queremos elucidar bem o caso e agir com justiça, já que o caso envolve o nome do Ibama. É um fato grave?, concluiu Raimundo.