A Polícia Civil investiga possível ligação entre a morte de dois jovens na noite desta sexta-feira (5) na Cidade Industrial de Curitiba. Eduardo de Toledo, 20 anos, foi baleado e encaminhado a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e morreu em seguida. Logo depois, Fábio Barbosa, 19, foi alvejado e morreu no local.

O primeiro crime aconteceu na Vila Barigui, na Rua Jair Sibonei. Por volta das 19h, dois homens em um Punto branco chegaram, desceram atirando e fugiram. Eduardo estaria com amigos e foi socorrido, mas não resistiu. Segundo a polícia, o jovem levou três tiros.

Pouco tempo depois, por volta das 23h, no cruzamento das ruas Jose Aniceto com Professor Algacyr Munhoz Mader, Fábio Barbosa foi morto. De acordo com a polícia, o rapaz foi visto correr como se fugisse de alguma coisa e, em seguida, foi atingido por tiros que foram disparados por ocupantes de um Uno branco.

Amigos

As primeiras informações, passadas por testemunhas, dão conta de que os dois rapazes eram amigos. Eduardo e Fábio tinham passagens pela polícia e estes antecedentes podem ser a causa da morte dos jovens. Segundo familiares, Eduardo tinha envolvimento em um homicídio.

A suspeita até o momento é de que os dois crimes podem ter ligação direta e foram cometidos pelos mesmos autores. “A forma que os dois foram abordados é praticamente a mesma, nos dois casos, os assassinos estavam em um carro, pararam as vítimas e mataram a queima roupa, tudo de uma forma parecida. A informação de serem amigos também é muito importante, porque pode estar aí a ligação do que aconteceu”, explicou o delegado Fábio Amaro.

Um dos rapazes teria mandado de prisão expedido pela Justiça, mas a informação não foi confirmada pelo delegado. “Vamos ter que aguardar o desenrolar das investigações para saber detalhes, porque os nomes podem ser parecidos e as informações ainda podem mudar”, explicou. Na manhã deste sábado (5), policiais da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), já apuravam e procuravam saber mais informações sobre os rapazes com familiares e conhecidos. Denúncias podem ser feitas pelo 0800-6431-121.