João de Noronha
Artefato caseiro é destruído
em terreno baldio.

Logo após tomar em assalto o Astra placa COS-2192, no Alto Maracanã, em Colombo, Joeliton do Nascimento, 21 anos, foi descoberto por policiais da Companhia de Choque. Em uma casa, na Rua Aristóteles, 872, no bairro Campo Alto, os policiais acharam o Astra e ainda o Vectra placa AJP-5286, também roubado ontem, além de um Golf sem procedência. Dentro da moradia, foi encontrada uma bomba caseira, contendo aproximadamente um quilo de pólvora.

O aspirante João Valdemar Serpa, da Companhia de Choque, que comandou a operação, informou que por volta das 16h foi dado o alerta do roubo do Astra. Minutos depois, os policiais receberam a informação de que um desmanche funcionava em uma casa, na Rua Aristóteles, situada a quatro quadras da delegacia do Alto Maracanã. Os militares foram conferir a denúncia. Para surpresa dos policiais, o Astra, que havia acabado de ser roubado, estava no local. "O Vectra foi tomado em assalto no Boa Vista, à 1h da madrugada. Um Golf, que será periciado, estava sendo desmanchado", salientou o aspirante. Serpa contou que ao entrar na residência localizou a bomba, que foi detonada por uma equipe especializada em explosivos, no terreno baldio ao lado da casa onde foi localizada. "O Joeliton confessou que praticou o roubo do Astra e do Vectra, junto com um rapaz chamado Isaías, que fugiu levando as armas", disse o aspirante. Segundo ele, Joeliton não falou sobre a bomba caseira nem como seria utilizada.

Ele disse que Joeliton foi conduzido à Delegacia do Alto Maracanã e foi autuado em flagrante por roubo. "A Polícia Civil deverá investigar outros crimes praticados por este rapaz", salientou Serpa.

No Uberaba, maconha e mais um carro roubado

Uma denúncia anônima levou policiais da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV) até uma casa, onde estava funcionando um desmanche de carros roubados, na Rua Valdomiro Daldigan, Uberaba. No local, além de um veículo tomado em assalto, os policiais ainda encontraram um tablete de maconha. A dona-da-casa, Geni Oliveira e Silva, 47 anos, foi presa e autuada em flagrante por tráfico de drogas e receptação.

O delegado Naylor Robert de Lima informou que os policiais foram checar a denúncia anteontem pela manhã, mas assim que chegaram ao local viram dois jovens deixando a residência. Ao abordá-los, eles contaram que haviam comprado R$ 30,00 em maconha.

Diante da constatação, os policiais entraram na casa. No quintal, viram o Citroën placa AFU-9823, tomado em assalto no último dia 2, por dois homens. O carro já estava sendo desmontado. Após dar voz de prisão para Geni, eles localizaram a droga e o dinheiro.

Inocente

Apesar do flagrante, Geni alegou que é inocente. A mulher disse que não sabia que o carro era roubado e emprestou o terreno para um homem chamado Evaristo, porque o homem alegou que sua garagem estava em reforma e ele iria viajar. "Nem sabia. Pensei que o carro era dele", justificou. Quanto à droga, Geni também disse que pertencia a Evaristo. "Eu sabia o que era, mas ele só deixou lá. Eu vendi para os meninos, mas não ia ganhar nada. Deixei até o dinheiro dele separado em um canto", argumentou Geni.

O delegado Naylor Robert de Lima lembrou que o artigo 12 da lei 6368/76, do tráfico de entorpecentes, possui 18 verbos, entre eles "guardar". Para a polícia, Geni praticou a conduta descrita pela lei.